Buscar
  • VINICIUS VITAL

Rio libera lotação máxima em cinemas, museus e shoppings; saiba quais espaços estão autorizados

Decreto publicado no Diário Oficial do município nesta segunda-feira (18) libera o público total sem necessidade de distanciamento. Uso de máscaras permanece obrigatório


O DIA

Espaços como cinemas e teatros estão liberados, mas deverão ainda obrigar o uso de máscaras Foto: Divulgação.

Rio - A lotação máxima em cinemas, museus, teatros, shoppings e outros locais de ambientes fechados foi liberada pela Prefeitura do Rio. Em publicação no Diário Oficial do município, o prefeito Eduardo Paes alterou o decreto que limitava a 70% da capacidade nesses espaços. Agora, as atividdes poderão ser retomadas em 100% da capacidade de público, sem necessidade de distanciamento. O uso de máscaras, no entanto, segue obrigatório.

O decreto liberou a capacidade total nos seguintes espaços:

- shopping centers, centros comerciais e galerias de lojas; - museu, biblioteca, cinema, teatro, casa de festa, salão de jogos, circo, recreação infantil, parque de diversões, temáticos e aquáticos, pista de patinação, entretenimento, visitações turísticas, aquários e jardim zoológico; - atividades em casas de espetáculo e concerto, apresentações artísticas em espaços de evento, drive-in, feiras e congressos, exposição


Academias de ginástica e estádios, além de bares, restaurantes e lanchonetes ainda não entram na lista de liberados por estarem em outro artigo do decreto.

Em todos os espaços, abertos ou fechados, todos os cariocas devem manter o uso de máscaras. Em alguns espaços fechados, como museus, teatros e cinemas, a apresentação do comprovante de vacinação é obrigatória para entrar.

Continua após a publicidade


Para o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alberto Chebabo, a flexibilização das medidas restritivas são condizentes com os índices de covid-19 na cidade. Com o avanço da cobertura vacinal, os riscos passam a ser mais individuais do que coletivos.

"A gente já está numa fase de flexibilização. Os índices estão muito bons. É claro que existe um risco. Mas, não se justifica mais ter todas as medidas restritivas. Ainda assim, cada um tem que se cuidar e usar máscaras de boa qualidade. As pessoas mais frágeis ainda devem evitar aglomerações em ambientes fechados", afirmou o médico.

Soranz prevê fim da obrigatoriedade de máscaras


Dados oficiais do Painel Rio Covid, da prefeitura, apontam que a capital já atingiu 61% da população adulta vacinada com as duas doses ou com a dose única da vacina contra o coronavírus. Segundo o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, a expectativa é que esse número chegue a 65% até terça-feira da semana que vem e a partir daí, seja possível acabar com a obrigatoriedade do uso das máscaras faciais em locais abertos.

"É a segunda etapa do nosso processo de reabertura, quando a gente vai poder liberar uso de máscara em locais abertos. É importante a gente ter cautela, que a gente vá com segurança, acompanhando sempre, muito de perto, os números", disse o secretário em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, nesta segunda-feira (18).

Soranz explicou que as máscaras passarão a ser optativas e que os cariocas que decidirem continuar utilizando a proteção, não precisam deixar de usar. A medida não valerá para locais fechados. Segundo o secretário, esta é a oitava semana de queda nos números de casos de covid-19. Além disso, dados do portal de monitoramento da prefeitura também mostram que a capital tem o menor índice de internação pela doença desde o início da pandemia, com menos de mil hospitalizações em outubro.

A dose de reforço para idosos de 67 anos foi suspensa nesta segunda-feira por falta de doses. Segundo Soranz, o Ministério da Saúde enviou 300 mil doses a menos do que a capital previa para continuar com a campanha de reforço dos idosos. O secretário explicou que a previsão é que novas doses cheguem na quarta-feira (20) e a vacinação seja retomada na quinta (21).

"A previsão é chegar nessa quarta-feira para na quinta a gente já retomar a vacinação da dose de reforço no grupo de 67 anos ou mais", disse o secretário.

1 visualização0 comentário