Buscar
  • VINICIUS VITAL

PF realiza operação para desarticular quadrilha que vendia conteúdos de pornografia infantil

Ações foram feitas no Rio de Janeiro, em São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina

Busca e apreensão em estúdio utilizado para fazer fotos de crianças e adolescentes Divulgação/PF

Rio - A Polícia Federal realizou um mandado de busca e apreensão na casa de uma mulher na manhã desta quinta-feira (28), na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Ela é um dos alvos da "Operação Abusou", realizada em mais três estados. A ação tem como objetivo desarticular uma organização criminosa que atuava na produção, disponibilização e comercialização de fotos e vídeos de crianças e adolescentes, principalmente brasileiras, em poses sensuais e eróticas, direcionados à pedofilia em websites situados no exterior.

Além de sequestro e bloqueio de bens, estão sendo cumpridos dez mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva, todos expedidos pela 1ª Vara Federal de Itajaí, em Santa Catarina. A ação ocorre em endereços da organização situados em Balneário Camboriú, também em Santa Catarina, Santana do Parnaíba, em São Paulo, e nas capitais dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. Dez pessoas foram indiciadas pelos crimes de organização criminosa, violação sexual mediante fraude, importunação sexual, assédio sexual, registro não autorizado da intimidade sexual, disponibilização de material pornográfico e estupro de vulnerável. Segundo a investigação, desde o ano de 2001 garotas eram convencidas a serem filmadas e fotografadas com roupas de banho e sem peças íntimas, sob a promessa de que o material seria utilizado para agenciamento de modelos em trabalhos de moda e publicidade, sob o argumento de que as fotos seriam exigência das empresas. Entretanto, as imagens, nomes e perfis de redes sociais eram vendidas na deepweb, por meio de sites na internet controlados pelo grupo, em países como a República Tcheca, Estados Unidos e Rússia. Ainfa foi identificado que essas fotos eram comentadas e compartilhadas por indivíduos que expressavam interesse em abuso sexual infantil e também em fazer contato com as garotas. O principal fotógrafo do grupo é também acusado da prática de crimes sexuais e de induzir as modelos a trocarem de roupa em seu carro e em seu estúdio fotográfico, onde haveria espelhos e câmeras estrategicamente posicionadas para registrá-las nuas. Mais de 120 crianças e adolescentes brasileiras, com idades que variam entre 4 e 18 anos, foram identificadas até o momento. Ele foi preso preventivamente durante a ação. Duzentos mil arquivos de imagens e vídeos estão sendo analisados pelo Serviço de Repressão a Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal (SERCOPI/DRCC), em Brasília, que atua na investigação.

As investigações tiveram o apoio do Secretariado Geral da Interpol, localizado na cidade francesa de Lyon, tendo em vista que há vários anos as imagens das menores eram reportadas por estarem associadas a pornografia infantil e estarem catalogadas no banco de imagens de exploração sexual infantil da Interpol. Além disso, a Polícia Federal também contou com informações provenientes da Agência de Investigações de Segurança Interna (Homeland Security Investigations - HSI), da Embaixada dos Estados Unidos, uma vez que diversos clientes da organização criminosa eram cidadãos americanos condenados por crimes sexuais contra crianças. A comercialização das imagens aconteceu por muitos anos, por diferentes meios de pagamentos, como cartões de crédito, transferências internacionais e, mais recentemente, também por criptomoedas. O montante total das transações está sendo apurado.


fonte O DIA

3 visualizações0 comentário