Buscar
  • VINICIUS VITAL

Carnaval da Sapucaí é adiado para o feriado de Tiradentes, em abril - SUPER TOP FM 89.3

A Prefeitura do Rio comunicou que o adiamento se deve ao avanço da variante Ômicron

Carnaval na Sapucaí aconteceria entre os dias 25 e 28 de fevereiro Cleber Mendes

O DIA


Rio - A Prefeitura do Rio decidiu adiar o Carnaval da Sapucaí para o feriado de Tiradentes, no mês de abril. A mudança foi anunciada após reunião, na noite desta sexta-feira, entre o prefeito Eduardo Paes, o Prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, as secretarias municipais de Saúde do Rio e de São Paulo, além dos presidentes das Ligas de Escolas de Samba de ambas as cidades.

De acordo com o secretário de Saúde do Rio, Daniel Soranz, a mudança se deve ao aumento dos casos de covid-19 provocados pela variante Ômicron. A cidade do Rio vive um pico de casos do novo coronavírus, assim como o restante do país. Só nesta sexta-feira, foram registrados mais de 20 mil diagnósticos positivos da doença no município. O Carnaval na Sapucaí aconteceria entre os dias 25 e 28 de fevereiro.


"É claro que essa é uma decisão técnica da secretaria de saúde. Infelizmente a gente não tem condições sanitárias para fazer o Carnaval na data que estava prevista. É necessário a gente acompanhar a curva da variante Ômicron. Ela muda todo o cenário epidemiológico. É uma nova variante, que a gente ainda precisa ver como ela se comporta. Com essa mudança de cenário, é impossível prever num curto espaço de tempo como ela vai acontecer", pontuou Soranz.


Ainda segundo o secretário de Saúde do Rio, a escolha pelo mês de abril foi feita considerando a curva de casos novos provocados pela cepa em outras cidades pelo mundo. "Abril é muito mais seguro. Acompanhando a curva de todos os outros países, é muito difícil que a variante Ômicron avance até lá. Então esse adiamento é por questão de garantia. Para garantir a vida das pessoas e segurança sanitária", disse o secretário.

Segundo as secretarias durante a reunião, o adiamento do Carnaval na Sapucaí não altera a situação do Carnaval de Rua, que segue cancelado.

Rede de hotéis diz que adiamento já era esperado


O presidente do HotéisRIO, Alfredo Lopes, afirmou que o adiamento já era algo esperado pela categoria, diante do crescimento alarmante dos casos de covid-19 no município. "O adiamento dos desfiles da Marquês de Sapucaí já era esperado. Afinal, o crescimento dos casos de Covid-19 vem alarmando o mundo inteiro e aqui no Brasil e no Rio de Janeiro não é diferente. Acho que é prudente e necessário, e precisamos respeitar o que manda a ciência. Mas estou otimista em relação ao feriado de Carnaval. A ocupação atual dos hotéis está em torno de 75% e vem assim desde o Réveillon, por conta dos turistas nacionais. A expectativa é de que, mesmo com o adiamento do desfile, a ocupação no feriado momesco chegue a 85%. Afinal de contas no ano passado, em que nós tivemos um Carnaval sem folia de rua e desfiles, o Rio de Janeiro registrou 80% de taxa ocupação hoteleira", disse. Confira a nota na íntegra:

"É claro que é uma festividade muito importante, mas o Rio de Janeiro vai muito além disso. É uma cidade cosmopolita, diversa, com atrativos turísticos reconhecidos internacionalmente, como o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar, inúmeras opções culturais e gastronômicas, além de belezas naturais como nossas praias e umas das poucas florestas urbanas do mundo. A motivação de viagem dos turistas no feriado de Carnaval perpassa a folia momesca. Os hotéis do Rio de Janeiro criaram uma programação paralela própria para o Carnaval, que incluem festividades e bailes. Além disso, possuem excelentes infraestruturas de lazer, de padrão internacional. Vale lembrar que a hotelaria esteve na dianteira, junto aos órgãos municipais e estaduais responsáveis, para a definição e implantação dos protocolos de prevenção na atividade turística. E continuamos muito atentos às tendências e orientações médicas e sanitárias. É importante ressaltar que o destino Rio está maduro, mostrou responsabilidade no processo de condução do combate a essa pandemia. As decisões dos gestores públicos são orientadas por dados técnicos e científicos. Apresentamos uma excelente cobertura vacinal, entre as mais amplas do mundo. Então, mais que nunca, o desejo dos brasileiros de visitar e curtir o Rio de janeiro está preservado”.

4 visualizações0 comentário